• Maria Julia

É PERMITIDO SENTIR



Por aqui é permitido deixar aflorar qualquer tipo de sentimento, mesmo os que não sejam tão elevados. Creio que sentimentos não devem ser reprimidos. Isso porque ignorar o que se sente, seja lá qual for o teor de tal sentimento, é um grande ato de falta de amor próprio que se pode cometer contra si mesmo, além de ser um impedimento de nos protegermos do que não é bom para nós, tanto quanto de crescermos pessoalmente.


Claro que todo sentimento que explode dentro de nós, deseja gerar uma ação. E a ação sim deve ser controlada. Não é permitido matar, não é permitido sacanear, não são permitidas injustiças, não é permitido ferir e nem faltar com respeito ao próximo, entre outras coisas. Não é permitido estapear ninguém, uma pena, pois Julia gostaria de estapear algumas pessoas. Entretanto, é permitido sentir e reagir emocionalmente contra a dor e o que ou quem a causou, pelo menos em nível de sentimento, de pensamento, não parece justo?


Percebo que sentimentos negativos como a raiva, tão presente em Julia, têm também seu lado bom. A raiva de Julia é o maior escudo para Maria, me protege de vários infortúnios, ou pelo menos do aumento deles, me força a analisar situações e pessoas, inclusive minhas duas partes. Ao mesmo tempo, a calma, a doçura e a consciência elevada de Maria evitam que Julia reaja a algo com atos errados e impensados; há um equilíbrio em mim. Ou seja, sentimentos livres, com ações controladas, são ótimos estímulos de reflexão e consequentemente, de autoproteção e crescimento emocional e espiritual.


Possibilitam-nos analisar o que verdadeiramente se passa dentro de nós e refinarmos, ascendermos nossas emoções e logo, a nossa essência.


Quem se diz superior por abraçar o bandido que lhe roubou, ou o parceiro que lhe traiu, quando ainda não os perdoou de fato, não se permite sentir a verdade ou não se aceita, ignora a si próprio, marcando passo na jornada evolutiva. Tranca em uma gaveta emoções que deveriam ser reconhecidas e trabalhadas diariamente. Esquece que quando a gaveta for aberta novamente pela vida, as mesmas sairão de maneira agressiva, cobrando o porquê de terem sido desprezadas por tanto tempo.


Para mim, devemos sentir tudo que brotar de dentro de nós e na sequencia, refletirmos e agirmos da melhor maneira possível para o momento, responsavelmente, no bem, com o comprometimento de quem se aceita e se permite, mas também exige elevação emocional e espiritual de si.


Nunca nos ignoremos, mas façamos sempre o polimento de nosso ser, a melhoria contínua de nós mesmos. Cultivar sentimentos ruins paralisa e mata, tanto quanto ignorá-los.

185 visualizações1 comentário

© 2018 por Maria Júlia fala de amor. Todos os direitos reservados.