SOBRE ACREDITAR

Atualizado: 18 de Jul de 2018



Dizem que nunca devemos abolir de nós um defeito, enquanto não sabemos se é ele que sustenta o nosso edifício inteiro. E isso me faz pensar sobre a mania de Maria de acreditar nas oportunidades, nas segundas chances, nas reviravoltas que a vida dá, na força interior que mora dentro de nós e muitas vezes ainda dorme, podendo acordar inesperadamente, sacudida pelos desafios do dia a dia, transformando tudo. De acreditar no que os olhos não veem, mas o coração sente. No que tem por trás e dentro das pessoas que cruzam nossas vidas. Na justiça divina. Enfim, em algo maior, invisível, que prepondera sobre algo menor e conduz as coisas para o melhor final possível, individual e coletivo, além da minha própria força, interior e física. Seja lá o nome específico que essa força maior tenha para cada um, acreditar nela é mania positiva na minha visão, mas na de muitos não.


Não, porque o acreditar de Maria me dá esperança além das evidências, pondo muitas vezes a minha cara a tapa e diante do improvável aos olhos da maioria. Coloca-me nua diante de inimigos, me arriscando também. É uma crença que me mostra aparentemente frágil, quando na verdade, a fragilidade é apenas fachada da minha habilidade e fortaleza em enxergar além. E se poucas vezes desemboca em frustrações pontuais e momentâneas, de modo geral me traz conquistas boas, avanços definitivos, exteriores e interiores. O acreditar de Maria parece utopia, mas não é. Também aparenta deixar-me suscetível, a mercê da vida e dos outros, mas é atitude consciente, que carrega meu conhecimento e aceitação sobre o poder do Universo em minha vida e o limite do meu poder no mundo. Carrega sabedoria.


Acreditar nessa tal força maior mantém o meu edifício em pé. Essa crença é alicerce que me sustenta. É também estrutura que me eleva e me faz ganhar novos andares. Faz que eu veja e seja vista. Essa característica de Maria me alimenta e movimenta a vida ao meu redor. É o que direciona Julia e a salva da rota comum. É tipo um combustível de alma. Gasolina aditivada. Diferencia a minha construção das outras. Marca Maria no mundo.


Acreditar nessa tal força maior nunca me trouxe decepções, desilusões ou surpresar negativas, rachaduras ao meu edifício, a ponto de condenarem a minha estrutura inteira. Talvez porque ela sempre se prove vencedora, mesmo que em um segundo momento. E porque ela é capaz de curar as eventuais dores consequentes do próprio ato de nela acreditar, me revitalizando para acreditar de novo. É uma crença regeneradora de mim mesma.


Esse acreditar de Maria, me torna um grande arranha céu, com a cabeça quase metida entre as nuvens, no meio de sonhos, visões das alturas, ao lado de Deus. Traz até mim o melhor da vida todos os dias. Permite que eu siga corajosa e convicta de que crer além de minha própria força é imprescindível para conquistar mais do que o trivial, do que a mera ação humana consegue alcançar, do que nossas mentes limitadas da visão ampla de vida podem enxergar e logo, desejar.


E por isso, se o acreditar em uma força maior for defeito, por aqui é defeito bom que permanecerá.

100 visualizações1 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Contato

3.png
190505.png