• Maria Julia

SR. MACHISTA

Atualizado: 25 de Jun de 2018

Chegou com aquele ar de homem dominador. Bateu no peito se sentindo sábio. Apontou e balançou o dedo se sentindo mestre. Aconselhou-me a mudar o meu jeito de ser, se sentindo convincente, mas não foi. Pediu para que eu deixasse de brigar pelas causas nas quais acredito. Para que eu fosse passiva diante do erro e da injustiça. Para que eu fosse menos coerente e menos incisiva. Pediu menos brilho, menos energia transformadora, menos ação encantadora, menos ações promissoras. Menos vida para mim.


Tentou me intimidar com aquele jeito hipócrita dos machistas, que fingem fazer o melhor pelo outro, quando só pensam de fato no melhor para si. Expressou, de forma imponente e orgulhosa, um disfarçado pelo amor de Deus para que meu lado dominável de Maria preponderasse novamente ou atuasse solo em minha vida. Para que Julia abrisse mão de sua determinação em lutar. Só assim ele poderia comigo.


Quis calar minha força interior por não ter a sua. Nunca ter tido. Quis apagar o meu brilho por não ter o seu, o ter perdido. Ou não o ter desenvolvido no conforto de sempre ter razão, simplesmente por ser homem. Quis parar minhas ações, por lhe atrapalharem. Quis paralisar os meus passos, por lhe obrigarem a andar e a evoluir também.


Quis me controlar novamente por medo de se perder, diante da perda do poder de me amedrontar, me estagnando na vida. Quis baixar a minha cabeça, mas tudo que conseguiu foi que eu a mantivesse bem de pé, penetrando o meu olhar em sua alma até compreender que suas atitudes eram defesas diante da mudança da postura feminina. Da minha, inclusive.


Sr. Machista, acabou a era da dominação. Atualize-se. Conforme-se. Levante o peito, mas para me enfrentar de frente, de igual para igual. Vença por armas mais nobres do que a manipulação. Desista da subjugação. Descubra suas reais competências. Ganhe pela inteligência. Avance também, ao invés de querer parar o avanço alheio. Respeite-me.


Bem vindo ao tempo do empoderamento feminino. Aqui o seu grito opressor não perpetua, não vibra, se cala, me move e lhe para, caso você não queira evolver para andar ao meu lado. Caso queira, pode chegar!

© 2018 por Maria Júlia fala de amor. Todos os direitos reservados.